MISSÃO IPGII
**Missão da IPGII** ***• O que é a missão?*** Missão é o propósito para o qual existo. ***• Qual é a missão da IPGII?*** A missão da IPGII é fazer aquilo para a qual Deus a chamou, para sua própria glória. **NOSSA MISSÃO** A missão da família IPGII é adorar a Deus, edificar os seus membros, evangelizar o mundo e acolher as pessoas. **OS PILARES DA MISSÃO DA IPGII:** Adorar, edificar, evangelizar e acolher **COMPREENDENDO A MISSÃO DA IPGII** ***• Primeiro pilar: Adoração*** - A nossa adoração é trinitária. Adoramos o Deus Pai, o Deus Filho e o Deus Espírito Santo. - Adoração a Deus deve ser um estilo de vida, mas, enquanto igreja, temos o grande encontro de celebração, no qual acontece a adoração comunitária. - Nosso encontro de celebração é marcado por temor, por reverência, por alegria e por gratidão. - Em nosso encontro de celebração adoramos a Deus com a vida, com os recursos, com os cânticos e com os hinos. *Textos Bíblicos:* > “Portanto, quer comais, que bebais ou façais outra coisa qualquer, > fazei tudo para a glória de Deus” (1Co 10.31). > > “Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão > o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura > para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus > adoradores o adorem em espírito e em verdade” (Jo 4.23, 24). > > “Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela > qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor; > porque o nosso Deus é fogo consumidor” (Hb 12.28, 29). “Prostrei-me > ante os seus pés para adorá-lo. Ele, porém, me disse: Vê, não faças > isso; sou conservo teu e dos teus irmãos que mantêm o testemunho de > Jesus; ADORA A DEUS. Pois o testemunho de Jesus é o espírito da > profecia” (Ap 19.10). > > “Aleluia! De todo o coração renderei graças ao SENHOR, na companhia > dos justos e na assembleia” (Sl 111.1). > > “Celebrai com júbilo ao SENHOR, todas as terras. Servi ao SENHOR com > alegria, apresentai-vos diante dele com cântico” (Sl 100. 1,2). > > “Honra ao SENHOR com os teus bens e com as primícias de toda a tua > renda; e se encherão fartamente os teus celeiros, e transbordarão os > teus lagares” (Pv. 3.9, 10). ***• Segundo pilar: Edificação*** - O efeito interno da adoração da igreja deve culminar com a edificação coletiva. - A edificação é um dever de todo discípulo do Senhor Jesus. Ela é realizada pela pregação, pelo estudo bíblico, pelo discipulado, pela EBD, sociedades internas e por meio dos encontros dos Grupos de Crescimento (GC). - Temos como propósito levar os membros a promoverem a edificação simultânea uns dos outros. Textos Bíblicos: > “Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras” (1Ts 4.18). > > “Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente, > como também estais fazendo” (1Ts 5.11). > > “Exortamo-vos, também, irmãos, a que admoesteis os insubmissos, > consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos para > com todos” (1Ts 5.14). ***• Terceiro pilar: Evangelização.*** - O efeito externo da adoração da igreja precisa culminar com a evangelização de cada indivíduo que compõe a sociedade na qual a igreja se encontra. - A evangelização é uma tarefa de toda a igreja. Evangelização deve ser um estilo de vida de todo membro da família IPGII. - Perto, a evangelização deve acontecer de modo pessoal, por meio de programação, por meio de impacto evangelístico e por distribuição de literatura e outros meios. - Longe, a evangelização acontece por meio de parceria firmada com missionários que atuam no campo nacional e transcultural, e plantação de novas igrejas intencionalmente Textos Bíblicos: > “Porque conheço as suas obras e os seus pensamentos e venho para > ajuntar todas as nações e línguas; elas virão e contemplarão a minha > glória. Porei entre elas um sinal e alguns dos que foram salvos > enviarei às nações, a Társis, Pul e Lude, que atiram com o arco, a > Tubal e Javã, até às terras do mar mais remotas, que jamais ouviram > falar de mim, nem viram a minha glória; eles anunciarão entre as > nações a minha glória” (Is 66.18, 19). > > “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em > nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar > todas as coisas que vos tenho ordenado” (Mt 28.19, 29). > > “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda > criatura” (Mc 16.15). > > “Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre > os mortos no terceiro dia e que em seu nome se pregasse arrependimento > para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém” > (Lc 24.46, 47). > > “Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o > Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20.21). > > “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis > minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria > e até os confins do mundo” (At 1.8). > > “Pois sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como > a ignorantes; por isso, quanto está em mim, estou pronto a anunciar o > evangelho também a vós outros, em Roma. Pois não me envergonho do > evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que > crê, primeiro o judeu e também o grego” (Rm 1.14-16). > > “Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim > pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho” (1Co > 9.16). ***• Quarto pilar: Acolher*** - Acolhimento. O efeito interno e externo da adoração precisa culminar com o acolhimento de quem chegou e de quem chegar. - O acolhimento deve vir acompanhado de modo intencional pela integração daquele que chegou. - O acolhimento deve ser uma filosofia de vida de cada membro da família IPGII. - Atualmente temos o ministério de recepção, porém, todos os membros da IPGII têm o dever de acolher as pessoas que estiverem conosco. - Queremos que a IPGII seja conhecida como uma igreja da palavra, mas também como uma igreja do amor. Textos Bíblicos: > “Tendo chegado a Jerusalém, procurou juntar-se com os discípulos; > todos, porém, o temiam, não acreditando que ele fosse discípulo. Mas > Barnabé, tomando-o consigo, levou-o aos apóstolos […]” (At 9.26, 27). > > “Acolhei ao que é débil na fé, não, porém, para discutir opiniões” (Rm > 14.1). > > “Portanto, acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo nos acolheu > para a glória de Deus” (Rm 15.7).

Compartilhe usando: