A condição natural do homem sempre faz com que a graça seja recusada. Ele precisa da graça, mas mesmo assim, insiste em não recebê-la. A natureza caída procede exatamente assim. Todavia, lamentavelmente, mesmo aqueles que já foram alcançados pelo Senhor nalguma medida recusam receber a graça para situações específicas, por causa disso, ficam paralisados e fracos. O teólogo norte americano, Charles Swindoll, afirma que: “Resistimos à graça quando nossa culpa e vergonha não foram adequadamente tratadas”. Pensando naquilo que possa estar acontecendo com você foi que reservei parte de meu tempo para me dirigir ao seu coração por intermédio da palavra escrita. Talvez os seus olhos captem a mensagem que aqui foi redigida num momento cujo coração esteja pesado, ou talvez conheça alguém que esteja enfrentando um tempo difícil porque não consegue perdoar a si mesmo. Talvez a culpa e o remorso estejam consumindo a sua alma. Talvez você esteja pensando que não existe perdão por causa daquilo que fez. Talvez você tenha conseguido perdoar os outros, mas não consegue perdoar a si mesmo. Sinceramente, não sei como se encontra o seu coração agora. Não sei a quanto tempo tem sofrido com o fardo pesando da culpa. Não sei como se encontra a sua alma nessa manhã. Talvez você esteja andando debaixo do tacão da culpa. Talvez por causa de seu passado remoto a insônia esteja esticando a sua noite. Sabe o que penso, talvez lá no recôndito de seu coração esteja ecoando uma voz: “está tudo acabado!”, “acabou para mim!", “não tem mais jeito!", “eu sou um fracasso mesmo!". Saiba, entretanto, que a graça não reconhece limites, nem possui restrições para restaurar a sua vida. Saiba de uma vez por todas que a graça anula a culpa. Saiba que a graça neutraliza a vergonha. Saiba que a graça chama você para começar novamente. Saiba que a graça apaga tudo aquilo que atormenta a sua alma e adoece o seu coração. Saiba que a graça pode lhe devolver a alegria da salvação. Saiba que “onde abundou o pecado, superabundou a graça.” (Rm 5.20). Ouça a voz da graça. Um conselho para você: Pare tudo! Ouça a voz do Senhor Jesus que foram pronunciadas lá no calvário. Elas ainda continuam ecoando com eficácia e poder: “Está consumado!" (Jo 19.30). Escute mais: “tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava na forma de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz.” (Cl 2.14). Ouça um pouco mais: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.” (Rm 8.1). Portanto, não ouse retirar aquilo que foi deixado lá na cruz. Agora, pare um pouco, feche os seus olhos e ore por um instante. Peça perdão ao Senhor. Aproprie-se pela fé de seu perdão gracioso. Rev. Fabio Henrique de J. Caetano

Compartilhe usando: